Institucional

O Circuito

Localizado em uma região montanhosa, de agradável clima, o Circuito das Malhas, além de oferecer ótimas opções para compra de malharia, e também, um destino ideal para quem busca a paz e o descanso. Albertina, Borda da Mata, Inconfidentes, Jacutinga, Monte Sião e Ouro Fino, são cidades que compõem este Circuito, que cativa a todos os visitantes pela hospitalidade, deliciosa culinária e belezas naturais.

A região, que se ocupava, exclusivamente de atividades agropecuárias, descobriu sua verdadeira vocação – o domínio da arte da malharia – e tornou-se um dos principais pólos turísticos do país, onde a malha de tricô e crochê, é o centro das atenções. A atividade se desenvolveu tão bem, que transformou o local em um dos mais importantes centros de malharia retilínea do país. Hoje, o trabalho artesanal foi substituído por equipamentos modernos, mas sem perder a originalidade. São mais de 1.300 malharias que vendem seus produtos em centenas de estabelecimentos comerciais, sendo um paraíso para logistas e outros visitantes.

Além da intensa atividade industrial e comercial, os municípios deste Circuito oferecem aprazíveis atrativos naturais. As águas minerais são abundantes e podem ser encontradas em Jacutinga e Monte Sião. Considerada a “Capital Nacional do Pijama”, Borda da Mata já se tornou conhecida e visitada por inúmeros turistas. Em Inconfidentes, o Crochê movimenta o comércio regional pela sua qualidade, alvo de constante visitação. Algumas cidades do Circuito das Malhas preservam um significativo patrimônio arquitetônico do período áureo da produção de café na região. Em Ouro Fino, o destaque fica para a “Casa do café com Leite”, onde se deu, em 1913, o Acordo Café com Leite, ou Pacto Ouro Fino, quando se reuniram o Presidente de Minas Gerais, Júlio Brandão, e o representante de São Paulo, Cincinato Braga, para decidirem sobre a política do revezamento entre os candidatos dos dois estados na Presidência da República do Brasil.Eu sou um Bloco de Texto. Clique no botão editar para mudar este texto.

História

O Circuito Turístico das Malhas do Sul de Minas iniciou formalmente seus trabalhos em 11 de março de 2005, tendo sido certificado oficialmente pela Secretaria Estadual de Turismo de Minas Gerais em 27 de março de 2006. Apesar disso, encontra-se registros dos primeiros encontros das cidades da região para formarem um circuito como região turística já no final dos anos 1990, tendo sido realizado o 1° Forum de Turismo do Circuito das Malhas em Ouro Fino, em 1998, com a presença das cidades de Inconfidentes, Jacutinga, Monte Sião, Ouro Fino e Bueno Brandão, que fazia parte do Circuito até meados dos anos 2000.

O Circuito Turístico das Malhas do Sul de Minas é uma Associação sem fins lucrativos e de direito privado, uma instituição de articulação dos trabalhos relacionados ao turismo e comércio na região, promovendo atividades que visam o desenvolvimento sustentável, a geração de empregos e renda nas comunidades envolvidas, além de promover campanhas publicitárias e elaboração de projetos que visam a melhoria da oferta turística, cultural,  comercial e de lazer dos visitantes e dos habitantes dos municípios, sempre com o objetivo final de consolidar a região como um destino turístico forte e unificado em suas ofertas e suas características únicas e atraentes.

A região compreendida pelo Circuito é nacionalmente conhecida pela qualidade das malhas, tricô, crochê e pijamas, além do charme e hospitalidade das cidades sul mineiras, com suas comidas típicas, doces e queijos, águas cristalinas de fontes minerais. Desapercebido não podem ficar as belezas naturais, grandes montanhas, cachoeiras, paisagens maravilhosas. A fé do povo também merece destaque, com suntuosos Santuários e Basílica Menor, fazendo parte do trajeto do caminho da fé.

A sofisticação dos produtos comercializados atrai turistas de todo o país. Neste contesto o Circuito representa a união das forças dos municípios associados para alavancar ainda mais o progresso e a qualidade de vida da população.

Através do Circuito já foram elaborados materiais de publicidade que são distribuídos em diversas feiras e eventos em todo o Brasil, além da participação na ABAV – Feira das Américas em nível internacional.

Circuitos Turísticos

Circuito turístico é o conjunto de municípios de uma mesma região, com afinidades culturais, sociais e econômicas que se unem para organizar e desenvolver a atividade turística regional de forma sustentável, através da integração contínua dos municípios, consolidando uma identidade regional.

Funções do Circuito Turístico

  • Identificar os municípios que tenham uma afinidade turística ou que se complementam turisticamente, que estejam num raio aproximado de 100 km;
  • Mobilizar representantes do Poder Público, iniciativa privada e comunidade de cada município interessado;
  • Realizar reunião de integração com a participação dos técnicos do Órgão Gestor do Turismo no Estado de Minas Gerais;
  • Definir através da identidade comum regional dos municípios participantes, o nome do Circuito Turístico;
  • Definir o tipo de entidade gestora: Associação, Agência de Desenvolvimento, ONG;
  • Elaborar um Estatuto/ Regimento Interno.

Funções do Gestor do Circuito

  • Viabilizar capacitação de mão de obra;
  • Detectar possíveis projetos turísticos sustentáveis com o objetivo de aumentar o fluxo e permanência do turista;
  • Visitar periodicamente todos os municípios do Circuito Turístico;
  • Executar atividades determinadas pela diretoria;
  • Assessorar a diretoria no planejamento de ações;
  • Captar recursos, parcerias e associados;
  • Levantar e identificar a cadeia produtiva;
  • Captar eventos para o Circuito Turístico;
  • Auxiliar na promoção da sustentabilidade econômica da instituição;
  • Conhecer bem a instituição da área trabalhada;
  • Detectar nas comunidades profissionais dos diversos setores para apoiar trabalho;
  • Sensibilizar as comunidades em conjunto com parceiros, através de reuniões mensais e itinerantes;
  • Viabilizar roteiros precificados com agências receptivas;

Funções dos Dirigentes

  • Fazer cumprir o Estatuto e o Regimento Interno;
  • Dirigir e coordenar todas as ações do Circuito Turístico;
  • Elaborar o plano de ações e o orçamento anual do Circuito Turístico;
  • Elaborar periodicamente relatório de prestação de contas referente a recursos financeiros, convênios firmados, orçamentos e outras ações.

O Circuito Turístico é administrado por uma entidade sem fins lucrativos, com autonomia administrativa e financeira, regida por um estatuto, formada por membros da sociedade civil e do poder público; e por um profissional (gestor) contratado para executar as ações necessárias. Eu sou um Bloco de Texto. Clique no botão editar para mudar este texto.

  • Cidadãos que queiram contribuir para o desenvolvimento turístico do seu município, bem como, comerciantes, empresários empreendedores e proprietários de áreas de potencial turístico;
  • Poder Público Municipal para propiciar aos seus munícipes, todas as vantagens do desenvolvimento turístico na sua cidade.
  • Associações e entidades representativas de classe que tenham vínculo direto ou mesmo direto com o desenvolvimento regional ou municipal do turismo, com especial ênfase nas Associações Comerciais dos Municípios associados.

O Circuito Turístico se mantém através das taxas de adesão e contribuições mensais dos seus membros, formados pela iniciativa privada e da cadeia produtiva (Hoteleiro, Pousadas, Restaurantes, Postos de Combustíveis, etc.

É um executivo subordinado à diretoria do Circuito Turístico. O elo entre Circuito Turístico e a Secretaria de Estado do Turismo, Municípios, Comunidades e Parceiros. O gestor deve ser um profissional do turismo ou empreendedor, que seja versátil, dinâmico, comunicativo, carismático, com espírito de liderança e que resida na região que abrange o Circuito Turístico em que atua.

No caso do Circuito Turístico das Malhas Sul de Minas é a turismóloga Angélica Salles.